• Fone/Fax: (47) 3351 - 1373
Foto Outubro Rosa: mês de alerta para o câncer de mama
  • 21/10/2020

Outubro Rosa: mês de alerta para o câncer de mama

Sintrivest reforça campanha para que todas as mulheres da categoria do vestuário e também da comunidade, fiquem atentas aos sinais desta doença

O câncer de mama é motivo de preocupação para milhares e milhares de mulheres, em todo o mundo. Mulheres estas que exercem os mais diversos papéis em seu círculo familiar e profissional, mães, avós, filhas, chefes de família, trabalhadoras nas mais variadas profissões... Mulheres que já tiveram a doença, ou conhecem alguém próximo que enfrentou um câncer e que, naturalmente, ficam apreensivas diante dos dados divulgados a cada ano, especialmente no mês de outubro, período em que se fala ainda mais sobre o câncer de mama.

Há muitos anos este tipo de câncer é um dos que mais acomete mulheres em todo o planeta. No Brasil, a estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para este ano de 2020, é de que surjam 66.280 novos casos dessa doença, ou seja, muitas mulheres devem ter recebido ou receberão o diagnóstico de câncer de mama este ano, no país. Não bastasse isso, que já é preocupante, o mundo enfrenta as perdas de vidas para a Covid-19. Mais de 150 mil pessoas morreram no Brasil, vítimas da pandemia, e outras milhares se recuperaram, algumas ainda em tratamento das sequelas deixadas pelo novo coronavírus. Um cenário triste, mas que ressalta ainda mais a importância do autocuidado, do prestar atenção ao seu corpo, à sua alimentação, à sua saúde...

E é neste sentido, de alertar as mulheres para este autocuidado, que o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário (Sintrivest) participa da campanha Outubro Rosa neste ano de 2020. “Representamos uma categoria que é composta, em sua maioria, por mulheres trabalhadoras. E todos os anos nos preocupamos em levar informação a elas, como também às mulheres da comunidade, sobre o câncer de mama. A pandemia da Covid-19 nos impediu de fazer um evento com palestras, a exemplo do que realizamos nos últimos anos, mas nem por isso deixaremos de falar e alertar as mulheres sobre esta doença”, ressalta a presidente Marli Leandro.

Consultas anuais de rotina ao médico ginecologista, exames de Papanicolau, mamografia e até mesmo ultrassom das mamas, são recomendações e indicações médicas que devem ser seguidas por todas as mulheres. Aliados a isso, outros fatores como alimentação saudável e prática de atividades físicas, auxiliam em muito quando o assunto é saúde. “O câncer é a multiplicação desordenada das células, que pode ser evitada com a adoção de hábitos saudáveis”, enfatiza a nutricionista do Sintrivest, Luciana Demarche.

Ela explica que o ideal é ter uma alimentação baseada no lema ‘descasque mais e desembale menos’, ou seja, mais itens naturais e menos alimentos industrializados. Segundo a nutricionista, é importante consumir alimentos in natura, porque estes possuem a enzima própria para melhor digestão e absorção dos nutrientes, fazendo o aumento da modulação da imunidade e proporcionando o bom funcionamento do intestino. Ingerir alimentos como folhas, legumes, frutas vermelhas; vitamina C como laranja, acerola, tangerina; as gorduras boas como o abacate; as especiarias como a cúrcuma; as fibras probióticas como psyllium, aveia, banana verde; os alimentos chamados de brássicas que ajudam a fazer a destoxificação do fígado, para prevenir as células cancerígenas, como repolho, nabo, couve flor, brócolis, rabanete, couve manteiga; e alguns suplementos naturais, como geleia real, própolis; são grandes aliados da saúde. “Soma-se a isso alguns fatores, como ativar a vitamina D, tomar sol de 10 a 20 minutos; controlar o sono; evitar o estresse através de meditação e relaxamento; controlar o peso corporal; e evitar consumo de alimentos inflamatórios, que são alimentos industrializados, ultraprocessados, que possuem muitos aditivos químicos”, comenta.


Sinais e sintomas

Os principais sinais e sintomas da doença são: caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou nas axilas.

Não há uma causa única para o câncer de mama. Diversos agentes estão relacionados ao desenvolvimento da doença entre as mulheres, como: envelhecimento (quanto mais idade, maior o risco de ter a doença), fatores relacionados à vida reprodutiva da mulher (idade da primeira menstruação, ter tido ou não filhos, ter ou não amamentado, idade em que entrou na menopausa), histórico familiar de câncer de mama, consumo de álcool, excesso de peso, atividade física insuficiente e exposição à radiação ionizante.



12 dicas para prevenir o câncer

-->Não fume!
Essa é a regra mais importante para prevenir o câncer, principalmente os de pulmão, cavidade oral, laringe, faringe e esôfago. Ao fumar, são liberadas no ambiente mais de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígena.

-->Alimentação saudável protege contra o câncer
Uma ingestão rica em alimentos de origem vegetal como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, e pobre em alimentos ultraprocessados, como aqueles prontos para consumo ou prontos para aquecer e bebidas adoçadas, pode prevenir o câncer.

-->Mantenha o peso corporal adequado
Manter um peso saudável ao longo da vida é uma das formas mais importantes de se proteger contra o câncer. Uma alimentação saudável favorece a manutenção do peso.

-->Pratique atividades físicas
Você pode, por exemplo, caminhar, dançar, trocar o elevador pelas escadas, levar o cachorro para passear, cuidar da casa ou do jardim ou buscar modalidades como a corrida de rua, ginástica, musculação, entre outras. Experimente, ache aquela modalidade que você goste, são diferentes possibilidades.

-->Amamente
O aleitamento materno é a primeira ação de alimentação saudável. A amamentação até os dois anos ou mais, sendo exclusiva até os seis meses de vida da criança, protege as mães contra o câncer de mama e as crianças contra a obesidade infantil.

-->Faça exames preventivos
Mulheres entre 25 e 64 anos devem fazer o exame preventivo do câncer do colo do útero a cada três anos. As alterações das células do colo do útero são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolau), e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso, é importante a realização periódica deste exame. Tão importante quanto fazer o exame é saber o resultado, seguir as orientações médicas e o tratamento indicado.

-->Vacine contra o HPV as meninas de 9 a 14 anos e os meninos de 11 a 14 anos
A vacinação contra o HPV, disponível no SUS, e o exame preventivo (Papanicolau) se complementam como ações de prevenção do câncer do colo do útero.

-->Vacine contra a hepatite B
O câncer de fígado está relacionado à infecção pelo vírus causador da hepatite B e a vacina é um importante meio de prevenção deste câncer. O Ministério da Saúde disponibiliza nos postos de saúde do País a vacina contra esse vírus para pessoas de todas as idades.

-->Evite a ingestão de bebidas alcoólicas
Seu consumo, em qualquer quantidade, contribui para o risco de desenvolver câncer. Além disso, combinar bebidas alcoólicas com o tabaco aumenta a possibilidade do surgimento da doença.

-->Evite comer carne processada
Carnes processadas como presunto, salsicha, linguiça, bacon, salame, mortadela, peito de peru e blanquet de peru podem aumentar a chance de desenvolver câncer. Os conservantes (como os nitritos e nitratos) podem provocar o surgimento de câncer de intestino (cólon e reto) e o sal provocar o de estômago.

-->Evite a exposição ao sol entre 10h e 16h
Use sempre proteção adequada, como chapéu, barraca e protetor solar, inclusive nos lábios. Se for inevitável a exposição ao sol durante a jornada de trabalho, use chapéu de aba larga, camisa de manga longa e calça comprida.

-->Evite exposição a agentes cancerígenos no trabalho
Agentes químicos, físicos e biológicos ou suas combinações são causas bem conhecidas de câncer relacionado ao trabalho, e evitar ou diminuir a exposição a estes agentes seria o ideal e desejável. Mas para que isto ocorra de maneira satisfatória, é necessário o comprometimento de todos os envolvidos nos diversos processos de trabalho, visando a elaboração de planos para evitar o adoecimento dos trabalhadores.

Fonte: INCA

Últimas Notícias

Tags